logo

Lavrador que mora abaixo de represa que ajudou a construir diz ter medo de rompimento

Fiscalização do Corpo de Bombeiros encontrou problemas na estrutura, que fica entre Palmeiras do Tocantins e Darcinópolis. Incra disse que fará nova vistoria na semana que vem.

O lavrador José Belarmino foi um dos homens que trabalhou na construção de uma represa entre as cidades de Palmeiras do Tocantins e Darcinópolis, no norte do estado, na década de 1980. Na época ele não tinha como imaginar que quase 40 anos depois a obra seria motivo de preocupação. É que ele mora no assentamento Destilaria, que fica abaixo da barragem, e uma vistoria indicou que existe risco de rompimento da estrutura.

“Se estourar nós vamos por água abaixo, porque ela leva nós todos e acaba com tudo. E não sobra nada, nós ficamos só com a vida, se Deus quiser”, diz o trabalhador.

Ele não é o único. O trabalhador rural Joaquim Alves, vizinho de Belarmina, afirma já ter visto vazamentos no local. “Se não fizer [a reforma] ela arrebenta lá em cima e aqui, porque ela está vazando”, diz ele.

O problema também foi constatado pelas prefeituras das duas cidades. “O que a gente pode fazer é o serviço de tapa-buracos para evitar um desastre. Estes moradores não dormem mais a noite, preocupados com a situação”, diz o prefeito de Darcinópolis, Jakson Soares (PTB).

O Ministério Público Estadual entrou com uma ação para que o Incra, responsável pela barragem atualmente, faça a manutenção no local. A Superintendência Regional afirma que a represa foi construída pelo antigo proprietário da terra antes do processo de desocupação.

Afirmou ainda que já fez manutenção no local em parceria com as duas prefeituras. Disse ainda que programou uma nova vistoria no local para a próxima semana.

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não a do Portal do Amaral. Compartilhe suas opiniões de forma responsável, educada e respeitando as opiniões dos demais, para que este ambiente continue sendo um local agradável e democrático. Obrigado.