logo

Conecte conosco

Juiz anula prisão de homem flagrado com drogas alegando que PM não tinha autorização para entrar na casa

Milton Lamenha disse que após ter recebido a denúncia, PM deveria ter comunicado a Polícia Civil sobre o caso para que uma investigação fosse feita e só então as equipes fossem até a casa.

O juiz Milton Lamenha de Siqueira, da 1ª Vara Criminal de Pedro Afonso, anulou a prisão de um suspeito de tráfico de drogas detido em flagrante pela Polícia Militar da cidade. O juiz decidiu que os PMs não poderiam ter realizado a prisão porque entraram na casa do suspeito sem autorização.

No entendimento de Lamenha, após ter recebido a denúncia de que drogas eram vendidas no imóvel, os militares deviam ter avisado a Polícia Civil para abrir uma investigação ao invés de ir até o local.

Na casa do homem preso foram encontrados dois tipos de drogas (crack e maconha) que estavam embaladas para venda e que somavam aproximadamente meio quilo de entorpecentes. De acordo com as mesmas fontes, ao prestar depoimento, o suspeito confessou que era traficante e que tinha um comparsa para ajudar nas vendas.

A prisão foi no último dia 20 de maio e a decisão de anular o procedimento foi menos de 24 horas depois, no dia 21. No despacho, o juiz escreveu que “Para contestar alegações de ingresso ilegal em domicílios, é comum que policiais se justifiquem dizendo terem sido autorizados, o que nem sempre é suficiente para, em juízo, demonstrar a legalidade da diligência”. O suspeito já foi solto.

 O Tribunal de Justiça também foi procurado para que esclareça quais os critérios que determinam a validade de uma prisão.

Após a decisão, o suspeito acabou solto e não responde a inquérito sobre o caso. As drogas continuam apreendidas.

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não a do Portal do Amaral. Compartilhe suas opiniões de forma responsável, educada e respeitando as opiniões dos demais, para que este ambiente continue sendo um local agradável e democrático. Obrigado.