logo

Distrito de Irrigação Rio Formoso assina acordo com o MPTO e compromete-se a utilizar água para irrigação de modo sustentável

O Distrito de Irrigação Rio Formoso (Dirf), entidade que congrega empresários rurais do Projeto Rio Formoso, assinou, nesta quarta-feira, 9, um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) comprometendo-se a adotar práticas agrícolas sustentáveis, principalmente no que se refere ao uso de recursos hídricos para irrigação. O acordo foi proposto pelo Ministério Público do Tocantins (MPTO), por meio da Promotoria de Justiça Regional Ambiental do Araguaia.

O acordo visa, principalmente, preservar a bacia do Rio Formoso nos períodos de estiagem, evitando as crises hídricas frequentes nestes períodos, uma vez que as águas dos rios da região têm como uso principal a irrigação.

Segundo as cláusulas do TAC, os empreendimentos agrícolas devem iniciar revezamento do uso da água a partir de 30 de junho de cada ano. Em 31 de julho, a captação deve ser suspensa, conforme preveem as licenças emitidas pelo Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins). Somente nos anos em que as chuvas superarem a média histórica de 1.400 milímetros, os empreendimentos poderão solicitar a prorrogação dos prazos para captação de água.

O acordo prevê também que os empresários rurais deverão manter em funcionamento, pelo período de cinco anos, os equipamentos que monitoram as bombas de captação de água e transmitem, em tempo real, as informações sobre o uso dos recursos hídricos.

Outra cláusula especifica, ainda, que o Distrito de Irrigação Rio Formoso deve adotar modelos e métodos sustentáveis de irrigação e de manejo de cultura das lavouras, desenvolvidos por empresas ou entidades públicas.

Ao Ministério Público, caberá fiscalizar o cumprimento do acordo. O descumprimento de qualquer obrigação estabelecida no Termo de Ajustamento de Conduta implicará a imposição de multa no valor de R$ 100 mil.

Com a assinatura do acordo, o Distrito de Irrigação Rio Formoso ficará excluído das ações judiciais coletivas propostas pelo Ministério Público referentes a captações possivelmente ilícitas de água para fins agroindustriais.

Avaliações
Francisco Brandes Júnior, titular da Promotoria de Justiça Regional Ambiental do Araguaia, contextualizou que tem buscado manter o diálogo com todas as partes envolvidas no uso das águas da bacia do Rio Formoso, visando tanto agilizar a solução de conflitos quanto evitar o excesso de judicialização. “Fico feliz com esse TAC, que pode representar o início de um efetivo processo de regularização do uso dos recursos hídricos”, pontuou.

O procurador de Justiça José Maria da Silva Júnior, coordenador do Centro de Apoio Operacional de Urbanismo, Habitação e Meio Ambiente (Caoma), destacou que a atuação do Ministério Público, além de garantir a preservação dos recursos naturais, garante segurança jurídica aos produtores rurais que trabalham com responsabilidade ambiental.

O assessor jurídico do Dirf, Euvaldo Leandro Pinheiro, pontuou que os produtores compartilham com o Ministério Público o interesse de preservar a bacia hídrica para o futuro, justificando que, por isso, a classe tem aderido às proposições do MPTO. “Esse acordo é resultado de um trabalho de colaboração por parte do Dirf que se intensificou nos três últimos anos, no que se refere à produção com responsabilidade ambiental”, disse.

Jonas Amaral

Jonas Amaral - RP Nº: 911 - DRT / TO - Diretor Geral e Editor Chefe do Portal do Amaral – E-Mail: [email protected] – Tel. (63) 98471-7540 / 99975-7227 / WhatSapp: (63) 98471-7540

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não a do Portal do Amaral. Compartilhe suas opiniões de forma responsável, educada e respeitando as opiniões dos demais, para que este ambiente continue sendo um local agradável e democrático. Obrigado.