logo

Deputado Federal Eli Borges questiona incoerência da prefeita de Palmas Cinthia Ribeiro

“Lotar ônibus pode. Funcionar igreja com até 20% da lotação, com uso de máscaras, distanciamento, etc, não pode. É preciso agir”, disse o deputado

A prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro (PSDB), foi de alvo de duras críticas nas redes sociais e no meio político por conta de sua insistência em ver o transporte coletivo da capital lotado. Seu pedido chegou até a Suprema Corte do país.

Na noite desta terça-feira (26) o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, atuando no exercício da Presidência da Suprema Corte, deu apoio ao município de Palmas e suspendeu a liminar que proibiu os ônibus do transporte coletivo de Palmas de circularem com 100% da capacidade de passageiros sentados. A medida tinha sido determinada pela desembargadora Jaqueline Adorno, do Tribunal de Justiça do Tocantins.

O assunto é alvo de polêmica em Palmas, já que trabalhadores que continuam em atividade durante a pandemia reclamam de demora e longas esperas nos pontos de ônibus e nas estações. Além do fato de a prefeita Cínthia Ribeiro “defender” uma quarentena rígida, ao passo que aciona a justiça para conseguir que ônibus andem lotados pela capital.

Eli Borges questiona incoerência

Para o deputado federal Eli Borges (SD), a prefeita mostra-se um tanto incoerente ao defender o tema da lotação de ônibus do transporte coletivo, mas proibir cultos nas igrejas de Palmas, mesmo estas atendendo todas as medidas sanitárias recomendas pelo ministério da Saúde e da OMS.

“Lotar ônibus pode. Funcionar igreja com até 20% da lotação, com uso de máscaras, distanciamento, etc, não pode. É preciso agir”, disse Eli.

Borges ainda ressaltou que não é seu propósito fazer deste tema um assunto político, mas que tem uma missão de defender a liberdade religiosa, entre outros assuntos, e que de agora em diante não vai se calar.

“Com critério, pode e deve abrir igreja”, disse.

O deputado recentemente alertou que a liberdade religiosa está sob perseguição velada no Tocantins. A denúncia foi feita no plenário da Câmara dos Deputados.

Para o parlamentar tocantinense, as autoridades desconhecem a função essencial desempenhada na alma e sentimentos das pessoas pela Igreja e, devido a isso, tendem a cercear esse direito em nome de uma “proteção estatal” coletiva.

Desde o início da pandemia o deputado tem se colocado pela defesa do direito das igrejas continuarem a funcionar dentro das recomendações feitas pelas autoridades sanitárias e obedecendo aos devidos protocolos.

“A igreja nunca foi e nunca será distribuidora de coronavírus”, disse Eli Borges ao ressaltar que não busca a relativização da vida em sua defesa pelo funcionamento das igrejas, mas sim a garantia de um direito constitucional que, por motivos terceiros, tem sido tirado do segmento por autoridades que não gozam de bom senso no exercício da gestão.

 

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não a do Portal do Amaral. Compartilhe suas opiniões de forma responsável, educada e respeitando as opiniões dos demais, para que este ambiente continue sendo um local agradável e democrático. Obrigado.