logo

Impacto de teste nuclear na Coreia do Norte foi registrado em Peixe Tocantins

O mundo acordou nesta quarta-feira com razões de sobra para preocupações. A análise dos sismogramas de um evento de 5,1 magnitudes detectado na Coréia do Norte mostrou que não se tratava de simples abalo sísmico, mas do sinal indisfarçável da explosão de uma poderosa bomba de hidrogênio.

De acordo com o Portal UOL, a onda provocada pelo teste nuclear foi registrada com maior intensidade na estação de Boa Vista (BOAV), situada no estado de Roraima. A estação mais ao sul do país que registrou o tremor foi a de Peixes (PEXB), localizada em Tocantins. Conforme o Centro de Sismologia da USP, as regiões Sul e Sudeste do Brasil não registraram as ondas por conta da maior distância em relação à explosão.

De acordo com o Painel Apolo 11, a explosão gerou uma poderosa onda mecânica que foi detectada por diversos sismógrafos ao redor do mundo, que revelaram formas de ondas características da detonação de um artefato explosivo. Mais tarde, a agência oficial de notícias confirmou o teste, enaltecendo a conquista do povo norte-coreano.

Na imagem abaixo, o Centro de Sismologia da USP mostra os registros das ondas nas diversas estações brasileiras

“Esta não é a primeira vez que o país de Kim Jong Un realiza testes nucleares, mas os artefatos eram armas de fissão, que liberam energia pelo rompimento do núcleo dos átomos de urânio, uma tecnologia considerada ultrapassada desde a Segunda Guerra mundial”, informou.

Explosões e terremotos

Embora os registros sismográficos pareçam confusos à primeira vista, uma análise mais detalhada pode revelar sinais que permitem identificar uma explosão de qualquer tipo de um terremoto.

sismograma_comparativo_explosao_terremoto_20160106-105733

Para se ter uma ideia, uma explosão nuclear produz cerca de 70 assinaturas típicas, enquanto um terremoto gera mais de 200 sinais diferentes. Muitas vezes as nuances são tão débeis que somente o emprego de supercomputadores permite uma análise mais refinada.

No entanto, algumas diferenças são bem marcantes, pois a forma como a energia é liberada também é diferente. Enquanto uma bomba libera toda a energia em apenas uma fração de segundo, um terremoto o faz de forma muito mais lenta, que pode variar entre 1 ou dezenas de segundos. Além disso, detonações ocorrem a poucos metros da superfície, enquanto terremotos acontecem a muitos quilômetros de profundidade.

Diferente de um terremoto, uma explosão produz um distúrbio mecânico perfeitamente esférico que faz propagar as ondas do tipo P de forma extremamente eficiente. Os terremotos, ao contrário, excitam os movimentos transversos com muito mais facilidade, permitindo que as ondas do tipo S viajem com muito mais intensidade.

Essas características primárias típicas fazem com que os registros sismográficos sejam diferentes. Enquanto os terremotos apresentam ondas “P” pequenas e ondas “S” muito maiores, as explosões revelam ondas “P” muito maiores que as ondas “S”, como podemos ver no diagrama acima. Além disso, o tempo do tremor causado por uma explosão é muito menor que o de um terremoto típico. (As informações são do UOL e da Apolos 11)

___

Parceiros:

Pro_3

Fonte:
Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não a do Portal do Amaral. Compartilhe suas opiniões de forma responsável, educada e respeitando as opiniões dos demais, para que este ambiente continue sendo um local agradável e democrático. Obrigado.